sexta-feira, 31 de julho de 2009

SER DO BENFICA



Acabam de me fazer chegar um excelente texto, de Miguel Esteves Cardoso, o qual explica, de forma cabal, como sempre faz o MES, porque somos do Benfica, bem como a força de sermos benfiquistas.
Deliciem-se...

SER DO BENFICA

Envio até para os meus infortunados amigos que não são benfiquistas. É evidente que são poucos... este e-mail é só para portugueses e portanto poucos estão nessa reduzida lista."É por não gostar de futebol que sou do Benfica.Tal como compreendo como é que há portugueses que conseguem ser de outros clubes.O Sporting, o Porto podem jogar bem e o Belenenses e a Académica podem calhar bem em sociedade, mas só o Benfica, como o próprio nome indica, é o próprio Bem. Que fica.
Só o Benfica pode jogar mal sem que daí lhe advenha algum mal. Basta olhar para os jogadores para ver que sabem que são os maiores, que não precisam de esforçar-se muito, porque são intrínseca e moralmente a maior equipa do mundo inteiro. Porquê? Ninguém sabe. Mas sente-se.
Quando perdem, não se indignam, não desesperam. Eusébio só chorou quando jogou por Portugal. Quem joga no Benfica tem o privilégio e o condão de estar sempre a sorrir. Não conseguem resistir.
O Benfica, a bom ver, nem sequer é uma equipa de futebol. É um nome. É como dizem os brasileiros, uma "griffe". Têm uma cor.
Antes de entrar em campo, já têm um mito em jogo, já estão a ganhar por 3-0, graças só à reputação. Quando o Benfica perde, parece sempre que quis perder.
Essa é a força inigualável do Sport Lisboa e Benfica - faz sempre o que lhe apetece. Qual é o segredo do Benfica? São os benfiquistas.
São do Benfica como são filhos de quem são. Ninguém "escolhe" o Benfica, como ninguém escolhe a Mãe ou o Pai.
Em geral, aliás, os benfiquistas odeiam o Benfica e lamentam-no no estádio e em casa, mas pertencem-lhe. Quanto mais pertencemos a uma entidade superior, seja a Família, a Pátria, Deus - ou o Benfica, mais direito, temos de criticá-la e blasfemá-la. Não há alternativa.
Em contrapartida, os sportinguistas e portistas parecem genuinamente convencidos que apoiam as equipas deles porque são as mais dignas ou as melhores. Desgraçados! Se fossem coerentes, seriam todos adeptos do REAL MADRID, AC MILAN, etc, etc.
No Benfica, não se exige qualquer lealdade. Só se pede, em relação aos adeptos de outros clubes, caridade e comiseração. O Sporting, por exemplo, tem a mania e a pretensão de ser "rival" do Benfica, um pouco como o Bloco de Esquerda se julga crítico parlamentar do PS. Mas, se se tirasse o Benfica ao Sporting, o Sporting deixaria de existir.
O Benfica é um grande clube porque tem história e talento suficientes para não dar importância aos resultados.Tem uma tradição de "nonchalance" e de pura indiferença que não tem igual nos grandes clubes europeus.O Benfica não joga - digna-se jogar. Não joga para vencer - vence por jogar.
Odeio futebol. Mas amo o Benfica. As opiniões de quem gosta de futebol são suspeitas. Claro que os sábios são do Benfica. Mas a força deste grande clube está nos milhões que são benfiquistas apesar do Benfica, apesar do futebol, e apesar deles próprios.
Em contrapartida, aposto que a totalidade de pessoas que são do Sporting ou do Porto, por infortúnio pessoal ou deficiência psicológica, são sócios.
A força do Benfica, meus amigos, está em quem não paga as quotas, que não vai a jogos, quem não sabe o nome dos avançados - isto é, no resto do mundo. O Benfica, é o Benfica. E o que tem de ser, e é, tem muita força.

Miguel Esteves Cardoso

ESTÁ DEMAIS !



Que me perdoem os mais religiosos, pois tenho o maior respeito pela Fé de todos, mas não resisti a publicar esta foto, que acabei de receber...

"AMIZADES"...




Dizia-me, há dias, um amigo meu que "a gente nunca conhece as pessoas...".
Comecei por argumentar que não é bem assim, mas fiquei a pensar no assunto, e, confesso, tenho de concluir que ele está cheio de razão...
A verdade é que, passando em revista os últimos anos da minha vida, verifico que me enganei, redondamente, na avaliação de várias pessoas que conheci, seguramente por culpa minha, algumas das quais cheguei, até, a considerar amigas...
Ainda que a custo, tenho que admitir a verdade subjacente ao ditado popular, quando afirma, "Deus nos livre dos "amigos", que dos inimigos me livrarei eu"...
O oportunismo de muitas pessoas, no seu relacionamento com os outros, chega a ser confrangedor, sendo impressionante a falta de respeito que revelam, por si mesmos, e pelos outros, ao assumirem determinados comportamentos e atitudes.
Todos cometemos erros ao longo da nossa vida, e eu cometi muitos mais do que gostaria, mas, ao contrário de muita gente, eduquei-me para pedir desculpa pelos erros cometidos, pelo que não me restam muitas por pedir, e a arrepender-me, sinceramente, de os ter cometido...
Perder-se um familiar, ou um amigo, por morte, é uma coisa terrível, mas muito pior é passar por essa perda em vida, ter que reconhecer o engano, admitir que, afinal, pessoas a quem dedicámos a nossa amizade, ou, até, amor, nunca foram dignas, sequer, da nossa atenção...
Erros, e omissões, de comportamento, acontecem, com maior ou menor frequência, e em maior, ou menor, grau, e são desculpáveis, mas erros de carácter são reveladores de quem os comete e não merecem, a meu ver, qualquer desculpa.
Infelizmente, por motivos vários, perdi, nesta última década, e alguns bem recentemente, relacionamentos que cheguei a considerar amizades, que não serão mais recuperáveis.
Foi-me difícil ter de admitir que em enganei quanto ao seu carácter, como é difícil conviver com a interrogação, sem resposta, de como foi possível conviver com eles, tanto tempo, sem me ter apercebido de quem eram, verdadeiramente...
Não quero citar nomes, porque alguns são bem conhecidos, eles saberão a quem me refiro, mas quero deixar claro que existem coisas que, aos meus olhos, nunca terão desculpa, muito menos perdão!
A calúnia, a desonestidade e mau carácter, são coisas que nunca perdoarei, nem com o avançar da idade, sejam quais forem os motivos que as determinaram...
Não é fácil, mas, na verdade, tenho de reconhecer que este meu Amigo estava cheio de razão:
"A gente nunca conhece as pessoas..."

CONTRATAÇÔES...



Não é meu hábito fazer comentários sobre as contratações do Benfica, a não ser quando se trata de jogadores que já vi jogar, e sobre os quais tenho opinião formada.
Por isso comentei, favorávelmente, as contratações de Ramires e Keirrison.
Pelo mesmo motivo, confesso não compreender a contratação de Júlio César e, menos ainda, o anunciado interesse em César Peixoto.
De Júlio César, que já é nosso jogador, direi apenas que, sendo um bom guarda-redes, não me parece melhor do que Quim, Moreira, ou até, Moretto...
Já quanto a César Peixoto, trata-se de um jogador vulgar, que tem a desvantagem de não estar em idade de poder ser valorizado.
Claro que, neste caso, também não sou indiferente á sua passagem pelo Futebol Clube do Porto, e aos comportamentos anti-Benfica de então, mas isso nem sequer á novo, pois ainda recordo a contratação de João Manuel Pinto, também ex-Belenenses e ex-FC Porto, a quem chegou a ser entregue a braçadeira de capitão...
Ficarei muito feliz se estiver enganado, e estas vierem a revelar-se excelentes contratações, mas não apostaria nisso...
E como falar de contratações é falar de dispensas, a saída de Yebda parece-me natural, porquanto nunca vi nele um jogador com qualidade suficiente para representar o Benfica, opinião que formei desde que vi a sua estreia e que os jogos seguintes acabaram por confirmar.
Claro que, quando comparado com Beto ou Bynia, Yebda é um bom jogador, mas a verdade é que nenhum deles tem categoria para jogar num Benfica que se pretende campeão.
Como afirmou Rui Costa, a plantel ainda não está fechado, e confesso-me curioso por saber o que o futuro nos reserva, quer em matéria de contratações, quer de dispensas...

SIR BOBBY



A morte de Bobby Robson, aos 76 anos, após um longo período de luta contra uma doença que, apesar de não haver risco de pandemia, mata muito mais gente do que a gripe A, e recebe muito menos publicidade, deixa tristes todos os verdadeiros desportistas.
Sir Bobby Robson, para além de ter sido um excelente jogador, e treinador, de futebol, era um "gentleman", como ficou, amplamente, demonstrado, durante a sua passagem pelo futebol português.
Foi um campeão, no desporto como na luta contra a doença, e foi solidário com todos os que, como ele, travam essa batalha, desigual, contra o cancro.
Recordo-me que, numa das eleições do Benfica, o meu amigo, Engº Abílio Rodrigues, que encabeçava uma das listas, chegou a anunciar a sua contratação, caso ganhasse. Ganhou Vale e Azevedo, e o Benfica perdeu em diversas frentes, mas também nessa...
É costume, generalizado, entre os portugueses, elogiar as qualidades dos defuntos, mesmo quando, em vida, não passaram de uns trastes.
Não é o caso de Sir Bobby Robson, que fez por merecer todos os elogios, e homenagens, que lhe fizeram, e venham a fazer. Que descanse em paz !

NEM BOM VENTO...



Há dias, fiquei a saber que, de acordo com uma sondagem realizada, recentemente, 40% dos portugueses e 30% dos espanhóis, seriam favoráveis a uma união ibérica.
Não tendo sido uma surpresa este resultado, gostaria de ter tido acesso á motivação dos votantes, porquanto estou em crer que, as motivações, de uns e de outros, são bastante diferentes.
Tal como essa sondagem confirmava, os portugueses sabem muito mais acerca do que se passa em Espanha do que o inverso, e acredito que a nossa visão iberista tem muito mais que ver com o desejo de melhoria do nível de vida, e com o tradicional "apelo" por tudo o que é estrangeiro, do que com qualquer falta de patriotismo, ainda que o nosso ande, desde há muito, pelas ruas da amargura...
Ao invés, para muitos espanhóis, o iberismo resulta do facto de nunca terem conseguido entender por que carga de água é que um pequeno rectângulo, encravado em território espanhol, insiste em ser independente, em vez de se limitar a ser mais uma província do Reino, com autonomia igual á da Catalunha, ou do País Basco...
No âmbito desta pandemia informativa, acerca da Gripe A, ficámos a saber que um terço dos infectados vem de Espanha, pelo que não me surpreenderia se, em futura sondagem, o número de portugueses iberistas sofresse acentuada redução. Nós somos assim mesmo...
Afinal, e quando nos dá jeito, a grande maioria dos portugueses ainda recorda o ditado popular, segundo o qual, de Espanha, nem bom vento, nem bom casamento...

COMPLICADO...



Foi péssima a derrota do Braga, em casa, face aos suecos do Elfsborg, e pior ainda, com dois golos consentidos, embora dois excelentes golos.
Se é verdade que, como afirmou o treinador do Braga, a diferença não é impossível de recuperar, não é menos verdade que a equipa terá de jogar muito mais, para o conseguir.
E o futebol português bem precisa dessa vitória, e de acumular pontos na UEFA...

quinta-feira, 30 de julho de 2009

ENGRIPADOS...MAS ASSEADOS



Todos os dias ficamos a saber que apareceram mais uns quantos casos de Gripe A, que merecem honras de abertura de telejornais.
Com tanta publicidade, confesso a minha estranheza pela, relativa, calma com que os portugueses estão a lidar com a situação, apesar de começarem a surgir alguns sinais de paranóia...
Curiosamente, as notícias concentram-se nos novos casos e referem, invariávelmente, o número de casos, acumulado, mesmo quando as pessoas que foram contaminadas já fazem a sua vida normal, pelo que nunca se fica a saber quantas pessoas estão, de facto, doentes.
É uma "pandemia" de informação, muito pouco concentrada nos sintomas e na prevenção da doença...
Sugiro, então, que se aproveite esta gripe, como Gripe A que é, para melhorar os níveis de Asseio, e Higiene( em homenagem ao H1).
Lavar as mãos várias vezes ao dia já não é mau, mas, no âmbito da prevenção, o ministério da saúde poderia incluir, também, outras medidas, como tomar um banho diáriamente e lavar os dentes antes de dormir...
Podem, até, não prevenir a gripe, mas acabarão por melhorar a auto-estima e o aspecto dos portugueses. Já não se perdia tudo...
A ser verdade que esta gripe se pode propagar através do dinheiro, do cartão de crédito, do espirro, etc, todos acabaremos por ficar engripados, sem que possamos fazer grande coisa para o evitar.
Redireccione-se, então, a campanha e alarguem-se as medidas de prevenção, a todos os cuidados, básicos, de higiene, sob o lema:
"Engripados...mas Asseados"
Com um bom filme de suporte, poderia até ser exportável para muito, e bom, país desenvolvido, e não só...

quarta-feira, 29 de julho de 2009

SEM COMENTÁRIOS...



2009-07-28 21:17h
Nota aos leitores: este jornal é boicotado pelo Benfica, liderado por Luís Filipe Vieira
Maisfutebol garante que continuará a disponibilizar toda a informação sobre o clube
Por Luís Sobral

Hoje, dia 28 de Julho de 2009, a direcção do Benfica e/ou a administração da Benfica SAD decretaram o boicote ao Maisfutebol, órgão de comunicação social. Ambas são presididas por Luís Filipe Vieira, de quem não se conhece qualquer palavra de condenação pelo sucedido.

Esta decisão diz pouco sobre o Maisfutebol e muito sobre Luís Filipe Vieira e os que solidariamente partilham este boicote.

O acto de discriminar jornalistas é punível por lei.

Por acreditarmos na justiça, o caso será entregue às autoridades responsáveis.

Por acreditarmos no jornalismo, continuaremos a manter informados os nossos leitores sobre tudo o que consideramos relevante.

Os temas, e a forma como os tratamos, são definidos exclusivamente por nós. Como sempre. No Maisfutebol não aceitamos ditados. Não recebemos entrevistas com perguntas e respostas escritas por assessores de clubes. Não recebemos chamadas telefónicas de presidentes. Não fazemos «fretes». Não escrevemos por encomenda. Não temos medo de ter opinião. Como o leitor sabe.

Uma das primeiras coisas que aprendemos na escola de jornalismo é a não incomodar quem nos lê com os nossos problemas. O trabalho que uma notícia leva a conseguir é coisa nossa.

Todos os dias, em diferentes pontos do globo, jornalistas são alvo de tentativas de condicionamento. Portugal não é diferente e o futebol, não é novidade, está longe de ser um espaço de liberdade. Todos o sabemos.

No entanto, tais evidências não devem impedir-nos de denunciar sempre que é vedado o acesso de um jornalista à informação.

A discriminação é um acto de violência exercido sobre quem escreve e sobre quem lê. E deve ser publicitado, para que o maior número de pessoas conheça quem assim age.

Além da queixa junto das autoridades que entender relevantes, Maisfutebol reserva-se o direito de divulgar o boicote a que está sujeito.

Em nove anos de existência, Luís Filipe Vieira é o primeiro presidente de clube a boicotar o Maisfutebol.

De facto, isso diz mais sobre ele e os que solidariamente partilham este boicote do que sobre nós.

Nota da Direcção do Maisfutebol

BAPTISTA BASTOS



Sou, desde que me lembro, admirador de Baptista Bastos, do escritor, do jornalista, do entrevistador televisivo,enfim, do Homem.
O artigo que hoje surge no jornal Público, e que, abaixo, reproduzo, ilustra bem a sua personalidade e carácter, tratando um tema que, infelizmente, é cada vez mais actual...


Educação para o ódio
por Baptista Bastos

Sempre julguei, ingenuamente, que a democracia boleasse as arestas desses ódios. Nada disso.

Quando o grande poeta Paul Celan saiu de Auschwitz, onde sofrera impiedosos tormentos, foi visitar Heidegger, acaso o maior filósofo do século XX e nazi nunca arrependido. Sabe-se que conversaram de tudo, sem omissões ou rasuras, e Celan não ocultou o prazer experimentado durante aquelas duas horas de convívio. Mas esta era outra gente, independentemente dos gostos e convicções. Em tempos, fui criticado por estimar e defender João Coito (que chefiou a redacção do Diário de Notícias), meu saudoso amigo e salazarista indefectível. E João Coito era reprovado, pelos seus correligionários, devido à afeição que por mim publicamente manifestava, sobretudo em artigos n'O Diabo. Esta relação situava-se no campo da honra e da integridade, se me permitem fazer uma paráfrase da explicação dada por Celan, e tomando as distâncias devidas entre nós e eles.

Dá-se o caso de, na década de 60, depois de despedido de O Século, por envolvimento na Revolta da Sé, e vivendo numa semiclandestinidade, o João Coito moveu céu e terra para eu entrar como redactor no Diário de Notícias. O meu amigo era um homem influente, mas não tanto que conseguisse opor-se a César Moreira Baptista, corifeu do regime e meu raivoso inimigo. Preparava-me para viajar até Paris e, depois, seguir para a Checoslováquia. O Urbano Tavares Rodrigues obtivera uns papéis falsos, encontrámo-nos na Pastelaria Smarta, de súbito deu-me a saudade futura de Lisboa, decidi ficar. Dormi em casa do Fernando Lopes e comi na mesma mesa fraterna. Um dia, diz-me que Manuel Figueira, chefe de Redacção do Telejornal, quer falar-me. Almoço na Varina, Parque Mayer, centro do nosso mundo, e, no final, Figueira convida-me a redigir notícias para a televisão, com, apenas, uma reserva: os recibos seriam assinados sob pseudónimo. Assim nasceu Manuel Trindade, nome de ressonâncias eclesiásticas, até que, denunciado, fui afastado, num despacho de Moreira Baptista, pobre homem.

A vida é o que é. Não me queixo, envelheço sem espanto e com ironia e vou-me divertindo, chateando uns tunantes que por aí andam. Lembrei-me, agora, destas historietas afáveis, ao ler alguns preopinantes de uma direita odienta, que confundem o desdém por delatores com fanatismo partidário. Os que nasceram sob Salazar foram educados para o ódio. De um e de outro lado. Porém, sempre julguei, ingenuamente, que a democracia boleasse as arestas desses ódios. Nada disso. Renasceu um movimento retardado de rancorosos, sem talento, sem grandeza e sem generosidade, mas com aleijões morais e prosa de mau hálito. Os netos de Salazar são incapazes de seguir os exemplos de Celan e de Heidegger. Porque continuadores do mais desprezível dos modelos.

SPORTING



É preciso que o Sporting vença o Twente e se qualifique para a fase seguinte da Liga dos Campeões.
Independentemente da rivalidade, é importante que as equipas portuguesas consigam pontos na UEFA, ou corremos o risco de o campeão português deixar de ter entrada directa na Liga dos Campeões, o que seria péssimo.
Uma palavra para o Paços de Ferreira, que conseguiu um resultado em Israel que lhe permite alimentar a esperança de passar á fase seguinte, na Liga Europa.

DE VERMELHO



Keirrison é um excelente jogador e poderá ser muito útil ao Benfica.
A avaliar pelas notícias, o jogador veio por empréstimo, não tendo sido possível ao Clube, ficar com o direito de opção. Se assim foi, é pena, pois acredito que será um jogador muito mais valorizado, quando terminar o seu contrato com o Benfica.

terça-feira, 28 de julho de 2009

KEIRRISON



A ser verdade a notícia do jornal "A Bola", e o jornal está, normalmente, bem informado, do que se passa no Clube, Keirrison poderá estar "a um passo do Benfica".
Aparentemente, o jogador, adquirido pelo Barcelona, ao Palmeiras, por 14 milhões de euros, seria emprestado por duas épocas, ficando o Benfica com a opção de compra.
Sou, por princípio, contra a ideia de o Benfica receber jogadores emprestados, até porque não temos tido experências de sucesso, mas, no caso de Keirrison, desde que salvaguardada a opção de compra, por um preço razoável, penso que pode ser um bom negócio para o Benfica.
Trata-se de um jovem jogador, muito talentoso, que é uma das grandes promessas do futebol brasileiro da actualidade, cujo potencial de valorização parece evidente, passado um necessário período de adaptação, ao futebol europeu.

MAIS DO QUE A CÂMARA



O debate entre António Costa e Pedro Santana Lopes, que terá lugar esta noite, na SIC, é, aparentemente, um confronto de ideias sobre Lisboa. Mas, a meu ver, é muito mais do que isso. Não só porque a gestão da Câmara da capital influencia a vida de um número de eleitores muito superior aos potenciais votantes, mas também porque se trata de um confronto entre duas das principais figuras políticas, dos dois maiores partidos portugueses.
Sou de opinião que António Costa é quem terá mais a perder, caso o debate não lhe corra de feição, na medida em que é, reconhecidamente, o principal candidato á substituição de José Sócrates, na eventualidade de o Partido Socialista perder as eleições legislativas.
Pedro Santana Lopes, pelo contrário, corre um risco mínimo, se algum, na medida em que a sua popularidade ficou sériamente afectada após a saída da autarquia, para se tornar um primeiro ministro que não deixou saudades, pelo que nada terá a perder.
Seja como for, a expectativa é grande, e existem bons motivos para isso.

"O MARTINHO" FAZ FALTA



António Sousa, proprietário do histórico café restaurante lisboeta, Martinho da Arcada, fundado em 1782, veio anunciar que existe o risco, real, de ter que fechar o estabelecimento.
Amanhã, terá lugar uma conferência de imprensa, onde serão apresentadas as medidas que, no entender do proprietário, poderão impedir o encerramento.
Conheço, pessoalmente, António Sousa e sei do seu amor ao Martinho, e tenho a certeza de que é sincero quando afirma, como fez em entrevista ao Diário de Notícias, que não quer ver o seu café transformado em hamburgueria.
O Martinho da Arcada, que é monumento nacional desde 1910, não pode desaparecer, e quero acreditar que será encontrada uma solução, adequada, para o impedir.

RECRIAR O PASSADO



Inicia-se no próximo dia 30, até ao dia 9 de Agosto, a XIII Viagem Medieval, em Santa Maria da Feira.
Fazer-nos recuar á época medieval e reviver o passado do burgo da Feira, num ambiente mágico, marcado por músicas e danças, é o objectivo desta iniciativa, que vem contando com um número crescente de visitantes, e merece ser apoiada.

REFORÇO



Ao contratar Muricy Ramalho o Palmeiras terá contratado o seu melhor reforço desta temporada.
Muricy é, seguramente, um dos melhores treinadores brasileiros da actualidade, tendo sido um dos grandes responsáveis pelos êxitos do São Paulo, num passado recente.
Actualmente em segundo lugar, no "brasileirão", o Palmeiras é um sério candidato á conquista do título brasileiro.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

MODERNICES...



Um amigo fez-me chegar este recorte, o qual, pela sua "originalidade" não resisti a publicar aqui.
E se a moda pega ? rsrs

O MENINO JOÃOZINHO...



Tenho uns amigos que me enviam, com regularidade, algumas anedotas, nas quais o menino Joãozinho é personagem principal.
Passo a piblicar uma das que acabei de receber, e que muito me fez rir :

Joãozinho...
Uma professora da 1ª classe, a testar a perspicácia dos seus pequenos alunos:
- 'Menino Luizinho! O que é que tem 4 patas, bigodes, anda em cima dos telhados, tem uma azeitona na boca e faz miau?'

- 'Com uma azeitona na boca? Não faço a mínima ideia, Sra. Professora!'
- 'Oh menino Luizinho, é um gato! A azeitona na boca é só para complicar!'
E a professora continua com o seu interrogatório:
- 'Menino Dioguinho! O que é que tem 2 patas, bico, penas, faz ninhos, tem óculos e faz 'piu-piu'?'
- 'Com óculos? Não faço a mínima ideia, Sra. Professora!'
- 'Oh menino Dioguinho, é um passarinho! Os óculos são só para complicar!'
Não satisfeita com os resultados que estava a ter, perguntou ao resto da classe, se algum aluno tinha uma pergunta para lhe fazer, ao que o menino Joãozinho respondeu afirmativamente:

- 'Sra. Professora! O que é que tem ponta redonda, estica e encolhe, tem duas bolas por baixo, tem a ponta vermelha e as mulheres gostam de pôr na boca?'

- 'MENINO Joãozinho! EU NÃO LHE ADMITO FALTA DE EDUCAÇÃO NA MINHA AULA! JÁ LÁ PARA FORA!'

- 'Calma, Sra. Professora! É o batom! As bolas por baixo era só para complicar!

O IMPORTANTE É.. O HOMEM



Felipe Massa já não corre perigo de vida, embora esteja em risco a sua carreira na Fórmula 1.
Para além de um extraordinário corredor de automóveis, Felipe é um homem afável, educado e um grande desportista.
Se não puder continuar a correr, será uma enorme perda para todos os que gostam do desporto automóvel, mas, a meu ver, o mais importante é que se salve o Homem, e que ele possa voltar a fazer a sua vida normal, já que, felizmente, parece não ter lesões cerebrais graves.
O mundo fica sempre mais pobre quando morrem pessoas nobres de carácter...!
Eu também estou torcendo por vc, Felipe!

HAJA ESPERANÇA...



Gostei das prestações do Benfica no torneio de Amsterdam.
A equipa está bem arrumada e os jogadores revelam uma entrega ao jogo como há muito não se via.
Apesar das muitas caras novas, já é possível ver vários bons momentos de futebol e a equipa a tentar recuperar a bola logo no meio campo adversário.
Globalmente, penso que temos motivos para termos esperança numa boa época desportiva, restando ver como a equipa reage quando começar a competição a sério...

domingo, 26 de julho de 2009

EMBRAER



O lançamento, hoje, da primeira pedra de uma das duas fábricas que a Embraer vai construir em Évora, assume particular relevo.
A Embraer é uma empresa brasileira que ocupa o terceiro lugar na indústria aeronáutica e a sua opção por investir em Portugal não pode, nem deve, ser menosprezada.
Ao que se percebe, a produção das duas fábricas será destinada á exportação e envolve investimentos da ordem dos 148 milhões de euros.
Sou dos que entendem que Portugal deve privilegiar o Brasil, no quadro do seu relacionamento económico, fora da União Europeia, por diversos motivos, dos quais ressaltam as afinidades linguísticas e culturais.
Um país pequeno e com recursos limitados, como é o nosso, deveria, a meu ver, fazer apostas claras, quer em matéria de captação de investimentos, quer na orientação dos seus investidores, para mercados considerados estratégicos.
Mercados como o da Rússia, Índia e China, que revelam enorme potencial de crescimento, podem ser importantes, mas, salvo melhor opinião, nenhum deles resiste a uma análise comparativa com o Brasil, quando olhados numa perspectiva dos interesses portugueses.
O Brasil é hoje uma grande potência mundial e deverá sair desta crise internacional com a sua posição reforçada, pelo que Portugal terá tudo a ganhar em apostar no reforço do relacionamento económico com um país que, ao contrário do que muitos imaginam, é muito mais do que o samba, as praias, as mulatas, e o futebol...

IMPRUDÊNCIA...



As acusações que João Cordeiro, presidente da Associação Nacional de Farmácias, fez ao primeiro ministro José Sócrates, foram, no mínimo, imprudentes...
Acusar um primeiro ministro de "traidor" e "mentiroso" é algo que não se pode fazer de forma leviana, por maiores que sejam as discordâncias que possam existir.
Mas pior ainda é não admitir o erro e apresentar desculpas, como faria qualquer pessoa civilizada, ao verificar que se enganou.
Ficámos a saber, no entanto, que, João Cordeiro considera existirem condições para que seja retomada a "normalidade das relações" entre o Governo e a ANF...

A GRIPE...



A Drª Manuela Ferreira Leite, líder do Partido Social Democrata, não poderá deslocar-se ao Chão da Lagoa, local onde se realiza a grande festa anual do PSD-Madeira, por estar doente com gripe.
Sabendo-se que a Drª Ferreira Leite não "morre de amores" pelo líder regional e atendendo ao tipo de discursos que o Dr Alberto João Jardim costuma proferir, durante essa festa, a gripe não podia ter vindo em melhor ocasião...

sábado, 25 de julho de 2009

FELIPE MASSA



O piloto brasileiro de fórmula 1, Felipe Massa (Ferrari) sofreu, esta manhã, um violento acidente, durante a sessão de qualificação do Grande Prémio da Hungria.
Segundo informações médicas, o piloto brasileiro está estável, mas vai ter que ser operado.
Para o Felipe, de quem sou um admirador, ficam os meus votos de rápidas melhoras e de um breve regresso ás pistas.

AGRADECIMENTO



Não pretendia voltar a este assunto, mas não posso deixar de expressar o meu agradecimento a todos os que me expressaram a sua solidariedade e cuidado, após a bofetada com que fui "mimoseado" no final da assembleia geral do Benfica.
Se é nos momentos difíceis que se conhecem os verdadeiros Amigos, posso dizer que sou um homem feliz, por ter tanta gente que se preocupa comigo.
Um grande "Bem Haja" para todos !

sexta-feira, 24 de julho de 2009

PARABÉNS



Parabéns ao Paços de Ferreira pela vitória sobre o Zimbru Chisinau, que lhe valeu o apuramento para a fase seguinte da Liga Europa.
Que continue a acumular vitórias, e pontos, para o futebol português, são os meus sinceros votos.

ASSEMBLEIA GERAL DO BENFICA



A propósito das notícias relativas á agressão de que fui alvo, quero deixar claro que, tudo se passou já com a Assembleia terminada e que não tive qualquer problema durante a mesma. Disse o que tinha a dizer, sem ser interrompido, ou, sequer, incomodado.
Não quero valorizar a agressão, até porque se tratou de um acto individual, pelo qual só pode ser responsabilizado quem o praticou, e o meu respeito pelo Benfica impede-me de qualquer tipo de aproveitamento desta situação.
Quero, contudo, deixar claro que me sinto preocupado com o clima de agressividade e falta de respeito, relativamente a todos os que ousam discordar do presidente do Benfica.
A agressividade e falta de respeito, e de educação, que caracterizam o discurso do presidente da direcção do Clube, quando se refere a quem dele discorda, para além de não dignificarem o Clube, contribuem para criar o clima que conduz a estas situações.
É isso que eu critico, lamento e gostava de ver corrigido. Mas as pessoas são o que são...

quinta-feira, 23 de julho de 2009

MÁ DECISÃO



Não aprovo a decisão do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, ao decidir condenar a uma derrota, por (3-0), Sporting e Benfica, pelos incidentes no campeonato nacional de juniores, o que em termos práticos dá o título nacional da categoria ao Benfica.
Fico sempre satisfeito com as vitórias do meu Clube, mas não na secretaria.
Teria sido preferível, a meu ver, penalizar os clubes com a perda dos pontos correspondentes a uma derrota, e mandar repetir o jogo.
Ao Conselho de Disciplina também compete zelar pela verdade desportiva...

VERGONHA



O Benfica voltou a impedir o acesso da TVI, á conferência de imprensa em que Weldon foi apresentado.
Quero deixar bem claro que considero vergonhoso este comportamento !
O que me surpreende é que, ainda restando, entre os dirigentes do Clube, algumas pessoas com bom senso, ninguém tenha sido capaz de explicar, a quem tomou estas decisões, que estas atitudes não dignificam o Clube.
O Benfica é muito maior, e está muito para além, de quem, conjunturalmente, o dirige e ninguém, repito, ninguém, está acima dos interesses do Clube.
A grandeza, ou pequenez, dos Homens, também se mede por estes comportamentos...

quarta-feira, 22 de julho de 2009

GOSTEI



Ontem fui ver o meu Benfica, na companhia do meu filho, e gostei.
Apesar da derrota, o resultado não era importante, voltei a ver um Benfica a pressionar alto, maior empenho na recuperação da bola, e bons lances de futebol.
Claro que, com as substituições, o futebol não foi tão bem jogado, mas manteve-se a garra e o empenho.
A dupla Aimar/Saviola, se não existirem lesões, tem todas as condições para nos proporcionar grandes momentos de futebol !
Com os novos reforços, e o pragmatismo de Jorge Jesus, o Benfica parece ter condições para não repetir os "desastres" das últimas épocas...

PARABÉNS




Está de parabéns a RTPmemória pelo excelente programa intitulado "Objectivo: Lua", apresentado na noite do dia 20, e conduzido por Júlio Isidro, a propósito de mais um aniversário da chegada do Homem á Lua.
Excelente a qualidade dos convidados, com particular destaque para o professor Carvalho Rodrigues, e do documentario "In the Shadow of the Moon".
O carácter informativo, e formativo, do programa merece, a meu ver, que volte a ser passado em horário nobre e num canal RPT de maior audiência.
No que me respeita, um momento único e particularmente emocionante:
Voltei a ver o meu pai, vivo, na festa de despedida ao Dr Décio de Freitas, com quem fez equipa durante muitos anos, numa peça que integrou o Telejornal do dia 20 de Julho de 1969, exibida durante o programa.

DESRESPEITO



Não é difícil imaginar quem mandou impedir o acesso da TVI á conferência de imprensa, para a apresentação do jogador Ramires.
Não posso dizer que fiquei surpreendido, não é a primeira vez que este presidente do Clube tem comportamentos semelhantes, mas sinto-me envergonhado, como benfiquista, com este tipo de atitutes.
Enquanto os dirigentes do Benfica não entenderem que o Clube não está ao seu serviço, mas são eles quem tem a Obrigação de o servir, difícilmente regressaremos aos momentos de glória do passado.
Há pessoas que se convencem que, imitar Pinto da Costa, nas suas práticas, pode colher dividendos.
Eu discordo ! No meu Benfica não existe lugar para determinados comportamentos !
E convirá que os benfiquistas se lembrem que as cópias são sempre piores do que os originais...

segunda-feira, 20 de julho de 2009

O VALOR DA HONRA




O meu amigo José Ribeiro da Silva fez-me chegar, via mail, este texto, que passo a reproduzir:

Comovente: A equipe de futebol que preferiu morrer a perder

A história do futebol mundial inclui milhares de episódios emocionantes e
comovedores, mas seguramente nenhum seja tão terrível como o protagonizado
pelos jogadores do Dínamo de Kiev nos anos 40.
Os jogadores jogaram uma partida sabendo que se ganhassem seriam assassinados e, no entanto, decidiram ganhar.
Na morte deram uma lição de coragem, de vida e honra, que não encontra, por seu dramatismo, outro caso similar no mundo.
Para compreender sua decisão, é necessário conhecer como chegaram a jogar aquela decisiva partida, e por que um simples encontro de futebol apresentou para eles o momento crucial de suas vidas.
Tudo começou em 19 de setembro de 1941, quando a cidade de Kiev (capital ucraniana) foi ocupada pelo exército nazista, e os homens de Hitler aplicaram um regime de castigo impiedoso e arrasaram com tudo. A cidade converteu-se num inferno controlado pelos nazistas, e durante os meses seguintes chegaram centenas de prisioneiros de guerra, que não tinham permissão para trabalhar nem viver nas casas, assim todos vagavam pelas ruas na mais absoluta indigência. Entre aqueles soldados doentes e desnutridos, estava Nikolai Trusevich, que tinha sido goleiro do Dínamo.
Josef Kordik, um padeiro alemão a quem os nazistas não perseguiam, precisamente por sua origem,era torcedor fanático do Dínamo. Num dia caminhava pela rua quando, surpreso, olhou um mendigo e de imediato se deu conta de que era seu ídolo: o gigante Trusevich.
Ainda que fosse ilegal, mediante artimanhas, o comerciante alemão enganou aos nazistas e contratou o goleiro para que trabalhasse em sua padaria. Sua ânsia por ajudá-lo foi valorizado pelo goleiro, que agradecia a possibilidade de se alimentar e dormir debaixo de um teto. Ao mesmo tempo, Kordik emocionava-se por ter feito amizade com a estrela de sua equipe.
Na convivência, as conversas sempre giravam em torno do futebol e do Dínamo, até que o padeiro teve uma idéia genial: encomendou a Trusevich que em lugar de trabalhar como ele, amassando pães, se dedicasse a buscar o resto de seus colegas. Não só continuaria lhe pagando, senão que juntos podiam salvar os outros jogadores.
O arqueiro percorreu o que restara da cidade devastada dia e noite, e entre feridos e mendigos foi descobrindo, um a um, a seus amigos do Dínamo. Kordik deu trabalho a todos, se esforçando para que ninguém descobrisse a manobra. Trusevich encontrou também alguns rivais do campeonato russo, três jogadores da Lokomotiv, e também os resgatou. Em poucas semanas, a padaria escondia entre seus empregados uma equipe completa.
Reunidos pelo padeiro, os jogadores não demoraram em dar o seguinte passo, e decidiram, alentados por seu protetor, voltar a jogar. Era, além de escapar dos nazistas, a única coisa que bem sabiam fazer.
Muitos tinham perdido suas famílias nas mãos do exército de Hitler, e o futebol era a última sombra mantida de suas vidas anteriores.
Como o Dínamo estava enclausurado e proibido, deram um novo nome para aquela equipe. Assim nasceu o FC Start, que através de contatos alemães começou a desafiar a equipes de soldados inimigos e seleções formadas no III Reich.
Em sete de junho de 1942, jogaram sua primeira partida. Apesar de estarem famintos e cansados por terem trabalhado toda a noite, venceram por 7 a 2. Seu seguinte rival foi a equipe de uma guarnição húngara, ganharam de 6 a 2. Depois meteram 11 gols numa equipa romena. A coisa ficou séria quando em 17 de julho enfrentaram uma equipe do exército alemão e golearam por 6 a 2.
Muitos nazistas começaram a ficar chateados pela crescente fama do grupo de empregados da padaria e buscaram uma equipe melhor para ganhar deles. Trouxeram da Hungria o MSG com a missão de derrotá-los, mas o FC Start goleou mais uma vez por 5 a 1, e mais tarde, ganhou de 3 a 2 na revanche.
Em seis de agosto, convencidos de sua superioridade, os alemães prepararam uma equipe com membros da Luftwaffe, o Flakelf, que era um grande time, utilizado como instrumento de propaganda de Hitler. Os nazistas tinham resolvido buscar o melhor rival possível para acabar com o FC Start, que já gozava de enorme popularidade entre o sofrido povo refém dos nazistas.
A surpresa foi grande, porque apesar da violência e falta de esportividade dos alemães, o Start venceu por 5 a 1.
Depois dessa escandalosa queda do time de Hitler, os alemães descobriram a manobra do padeiro.
Assim, de Berlim chegou uma ordem de acabar com todos eles, inclusive com o padeiro, mas os hierarcas nazistas locais não se contentaram com isso. Não queriam que a última imagem dos russos fosse uma vitória, porque acreditavam que se fossem simplesmente assassinados não fariam nada mais que perpetuar a derrota alemã.
A superioridade da raça ariana, em particular no esporte, era uma obsessão para Hitler e os altos comandos. Por essa razão, antes de fuzilá-los, queriam derrotar o time em um jogo.
Com um clima tremendo de pressão e ameaças por todas as partes, anunciou-se a revanche para 9 de agosto, no repleto estádio Zenit. Antes do jogo, um oficial da SS entrou no vestiário e disse em russo:
- "Vou ser o juiz do jogo, respeitem as regras e saúdem com o braço levantado", exigindo que eles fizessem a saudação nazista.
Já no campo, os jogadores do Start (camisa vermelha e calção branco) levantaram o braço, mas no momento da saudação, levaram a mão ao peito e no lugar de dizer: - "Heil Hitler!", gritaram -
"Fizculthura!", uma expressão soviética que proclamava a cultura física.
Os alemães (camisa branca e calção negro) marcaram o primeiro gol, mas o Start chegou ao intervalo do segundo tempo ganhando por 2 a 1.
Receberam novas visitas ao vestiário, desta vez com armas e advertências claras e concretas:
- "Se vocês ganharem, não sai ninguém vivo". Ameaçou um outro oficial da SS. Os jogadores ficaram com muito medo e até propuseram-se a não voltar para o segundo tempo. Mas pensaram em suas famílias, nos crimes que foram cometidos, na gente sofrida que nas arquibancadas gritava desesperadamente por eles e decidiram, sim, jogar.
Deram um verdadeiro baile nos nazistas. E no final da partida, quando ganhavam por 5 a 3, o atacante Klimenko ficou cara a cara com o arqueiro alemão. Deu lhe um drible deixando o coitado estatelado no chão e ao ficar em frente a trave, quando todos esperavam o gol, deu meia volta e chutou a bola para o centro do campo.
Foi um gesto de desprezo, de deboche, de superioridade total. O estádio veio abaixo.
Como toda Kiev poderia a vir falar da façanha, os nazistas deixaram que saíssem do campo como se nada tivesse ocorrido. Inclusive o Start jogou dias depois e goleou o Rukh por 8 a 0.
Mas o final já estava traçado: depois dessa última partida, a Gestapo visitou a padaria.
O primeiro a morrer torturado em frente a todos os outros foi Kordik, o padeiro. Os demais presos foram enviados para os campos de concentração de Siretz. Ali mataram brutalmente a Kuzmenko, Klimenko e o arqueiro Trusevich, que morreu vestido com a camiseta do FC Start. Goncharenko e Sviridovsky, que não estavam na padaria naquele dia, foram os únicos que sobreviveram, escondidos, até a libertação de Kiev em novembro de 1943. O resto da equipe foi torturada até a morte.
Ainda hoje, os possuidores de entradas daquela partida têm direito a um assento gratuito no estádio do Dínamo de Kiev. Nas escadarias do clube, custodiado em forma permanente, conserva-se atualmente um monumento que saúda e recorda àqueles heróis do FC Start, os indomáveis prisioneiros de guerra do Exército Vermelho aos quais ninguém pôde derrotar durante uma dezena de históricas partidas, entre 1941 e 1942.
Foram todos mortos entre torturas e fuzilamentos, mas há uma lembrança, uma fotografia que, para os torcedores do Dínamo, vale mais que todas as jóias em conjunto do Kremlin. Ali figuram os nomes dos jogadores.
Acima, está a única foto que se conserva da heróica equipe do Dínamo e o nomede seus jogadores, bem como a de Goncharenko e Sviridovsky, os únicos sobreviventes, junto ao monumento que recorda a seus colegas.
Na Ucrânia, os jogadores do FC Start hoje são heróis da pátria e seu exemplo de coragem é ensinado nos colégios. No estádio Zenit uma placa diz "Aos jogadores que morreram com a cabeça levantada ante o invasor nazista".
Esta é a história da dramática "Partida da Morte". O cineasta John Huston inspirou-se neste fato real para rodar seu filme "Fuga para a vitória" (Escape to Victory) de 1982 que chamou muita atenção à época do lançamento porque dele participaram grandes nomes do cinema como Michael Caine, Sylvester Stallone e Max Von Sydow, mas muito mais pela participação de algumas estrelas do futebol, como Bobby Moore, Osvaldo Ardiles, Kazimierz Deyna e Pelé.
No filme John Huston fez o que não pôde o destino: salvar os heróis.

DIA DO FUTEBOL





No dia 19 de Julho celebra-se, no Brasil, o dia do futebol.
A este propósito, recebi do meu amigo António Figueiredo, uma mensagem, que achei interessante, e passo a transcrever:

Em homenagem ao Dia do Futebol, 10 curiosidades sobre o esporte mais popular do mundo

Neste dia 19 de julho comemora-se o Dia do Futebol, o esporte mais popular do planeta. Em homenagem a esta data – e lamentando que aqui no Brasil, "país do futebol", não seja feriado nacional e Pelé possa apagar as velinhas em cerimônia pública-, o VirgulaEsporte resolveu consultar o Guia dos Curiosos, do jornalista Marcelo Duarte, e listar 10 curiosidades da modalidade para você internauta ser um bom conhecedor, e não somente um amante do que rola pelos gramados mundo afora.

Antes da lista, fique sabendo que o futebol não nasceu assim, prontinho, com 11 jogadores em campo, estádios lotados, uniformes, arbitragem e tudo mais. Segundo o Guia, existem algumas práticas de milhares de anos atrás que se assemelham ao futebol que é conhecido hoje em dia.

Na China, por exemplo, no ano de 2500 a.C, soldados do imperador Huang Tse treinavam com uma pelota de couro que era chutada para lá e para cá, até que ela atravessasse duas estacas fincadas do chão. Em Esparta, no século I a.C, algo parecido com isso, mas com uma ‘bola’ que era nada mais nada menos do que uma bexiga de boi lotada de areia.

E, pensando neste tipo de informação que, apostamos, você não tinha a menor idéia da existência, aí vão mais 10 curiosidades sobre o futebol que, com certeza, vão fazer você entender ainda mais o porquê dele ser o mais amado e querido por todos.

Confira:

1- O primeiro estádio brasileiro, na verdade, não era um estádio

Sim, é isso mesmo. O primeiro estádio brasileiro foi o Velódromo de São Paulo, que, originalmente, desde 1875 sediava competições ciclísticas. Para abrigar um jogo entre o Paulistano e o São Paulo Athletic, uma família tradicional paulistana resolveu construir arquibancadas em torno dele, em 1902.
2- O gol 10.000 de uma Copa Libertadores é de um brasileiro

E o autor da façanha é o lateral Cicinho, ex-São Paulo. Na época em que defendia o time do Morumbi, em 2005, o jogador marcou este gol histórico sobre o rival Palmeiras, na partida vencida pelo Tricolor por 1 a 0. Detalhe: esta partida também marca o centésimo jogo do ala pelo clube.

3- A primeira partida da seleção brasileira foi contra a Argentina

É, a rivalidade não nasceu por acaso. De lá pra cá, tudo bem, damos um banho em nossos hermanos nos quesitos ídolos e títulos. Mas, este jogo, que marcou o início do confronto entre brasileiros e argentinos no futebol, não terminou bem para nós. Placar de 3 a 0 para os adversários, no dia 20 de setembro de 1914, em Buenos Aires, na Argentina.



4- Contudo, a freguesia começou sete dias depois...

Impressionante. Sete dias depois do primeiro jogo entre Brasil e Argentina, os brasileiros puderam comemorar o primeiro título sobre os rivais. No dia 27 de setembro, com um gol de Rubens Salles, a seleção bateu os argentinos por 1 a 0 e conquistou a Copa Roca.

5- Quem apelidou o Palmeiras de ‘porco’ foi o rival Corinthians

E o pior é que verdade. Em 1969, dois jogadores do Timão faleceram e o clube teve de pedir para a Federação Paulista a inscrição de mais dois atletas para a continuidade do campeonato daquele ano. O Palmeiras, contudo, foi o único time que se opôs ao pedido corinthiano. Para protestar contra a ‘sujeira’ palmeirense, a Fiel soltou um porco no Morumbi e gritou em provocação “dá-lhe porco”. Em 1986, a torcida do Verdão sucumbiu e acabou aceitando a provocação como símbolo, mascote - simbólico, o oficial é o Periquito -, e coro da equipe.

6- Dois irmãos já foram técnicos da seleção brasileira em Copas. E só

A seleção brasileira é a única seleção do mundo que contou com irmãos no comando do time em Copas do Mundo. Em 1954, no mundial da Suíça, o comandante verde-e-amarelo era Zezé Moreira. Oito anos depois, na Copa do Chile, seu irmão Aymoré Moreira dirigiu a equipe que sagrou-se bicampeã mundial.

7 – O primeiro jogo noturno da história brasileira

Acredite se quiser, mas o primeiro jogo noturno não teve a iluminação de refletores ou postes de luz, mas sim, de bondes. É, isso mesmo, bondes. Vinte deles ligaram seus faróis para a partida entre Associação Atlética República e Sociedade Esportiva Linhas e Cabos, disputada em um terreno da Light (atual Eletropaulo), em São Paulo.

8- Brasileirão: o maior e o menor público

Se o seu palpite para o menor público é algum jogo do São Caetano, você errou. Em 1997, no Rio Grande do Sul, Juventude e Portuguesa passaram pela vergonha de jogar no estádio Olímpico para apenas 55 torcedores, enquanto 155.523 flamenguistas e santistas tiveram a oportunidade de acompanhar a decisão do Brasileirão de 1983, disputada pelas duas equipes no Maracanã: o maior público do campeonato nacional.
9- De onde veio a expressão “olé”?

Das touradas espanholas, lógico, quando o toureiro ‘dribla’ o touro enfurecido. Mas a primeira aparição da expressão nos estádios ocorreu com um time brasileiro, o Botafogo. Os cariocas disputaram uma partida contra o América do México, no México, na década de 50. O time botafoguense era de muita qualidade e logo começou a irritar os adversários, que apelaram para as entradas duras. Para fugir delas, Garrincha e companhia começaram a dar apenas toquinhos na bola, colocando os mexicanos na roda, e aí, a torcida foi ao delírio e gritou “olé” pela primeira vez em um jogo.

10 – O real motivo pela comemoração do Dia do Futebol ser no dia 19 de julho

Quem seguiu até o fim, descobrirá o porquê da comemoração do Dia do Futebol ser no dia 19 de julho. E, na verdade, nem há tanta explicação assim. Acontece que em neste dia 19 de julho, mais precisamente no ano de 1900, nasceu o primeiro time de futebol, o Sport Club Rio Grande. Alguns clubes como o Flamengo e a Ponte Preta são mais antigos, mas não possuíam o futebol como modalidade em suas práticas. No Rubro-negro, por exemplo, o remo que roubava a cena.

NA LUA ?









Quando passam 40 anos sobre a chegada do homem á Lua, não resisto a contar um episódio familiar, a esse respeito.
A minha avó Rogélia, na foto, assistia á transmissão televisiva, na minha companhia, com um misto de espanto e admiração, mas sempre com um ar desconfiado...
Estávamos na sala de jantar da casa onde eu nasci, bem como os meus irmãos, e eu estava fixado na televisão...
Eis senão quando, minha avó, com um ar grave, me atira o seguinte comentário:
Ó filho, na verdade, eles fazem coisas maravilhosas, na televisão, mas é claro que isto do homem na Lua é tudo mentira !
Lembro-me de ficar atónito, e dividido entre continuar a assistir é transmissão ou tentar convencê-la que era mesmo verdade, o homem estava na Lua !
Com o tempo, acabou por aceitar que as imagens eram reais, e que Neil Armstrong acabara de pisar solo lunar, pela primeira vez, mas posso assegurar que foi preciso um intenso trabalho de convencimento...
Hoje, ao recordar este episódio, ocorreu-me que, afinal, a evolução tecnológica foi tão rápida que até ela, uma "mulher de armas" e espírito aberto, teve dificuldade em acreditar no que estava a assistir...
Mas não duvido que, se fosse viva, apoiaria, com "naturalidade", o pedido dos astronautas, á NASA, para que prepare uma viagem a Marte...

domingo, 19 de julho de 2009

DIREITOS TELEVISIVOS...


Para todos aqueles que gostam de futebol e se preocupam com os diferentes aspectos ligados á sua gestão, recomendo a leitura de FUTEBOLFINANCE - a economia e finanças do futebol, no endereço abaixo:
Vem isto a propósito de um um artigo, publicado no passado dia 13, sobre a venda, colectiva, de direitos de televisão, e da actuação da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, ou falta dela...
Já aqui escrevi que, a Liga Portuguesa de Futebol Profissional deveria ser a entidade gestora dos direitos televisivos, relativos aos jogos das duas Ligas profissionais, razão pela qual concordo, na generalidade, com o que é dito no artigo da "futebolfinance".
Mas, em meu entender, o articulista não vai suficientemente longe, na abordagem desta questão, porque se limita a apelar á "sensibilização" dos clubes, por parte da Liga, para este tema.
Em meu entender, a Liga, enquanto entidade gestora do futebol profissional, tinha o dever de procurar financiar-se, junto da Banca, e partir para a negociação, com a Olivedesportos, visando a liquidação, antecipada, de todos os contratos existentes, com os clubes. Só deste modo seria possível criar as condições para que pudesse passar a negociar os direitos televisivos, em nome dos clubes, com claros benefícios para estes, sem quebrar os compromissos por eles assumidos.
Enquanto isso não suceder, os clubes continuarão a prorrogar contratos, e a antecipar receitas, num ciclo vicioso que ninguém parece interessado em quebrar...
Culpar a Olivedesportos pelo actual estado de coisas, como alguns já fizeram, não só não resolve nada, como esquece o essencial do problema. Afinal, é a Olivedesportos que tem permitido a "sobrevivência" de muitos clubes, apesar dos desvarios da política de "investimentos", levada a cabo pelos seus dirigentes...
As situações de endividamento excessivo e de orçamentos deficitários, sucessivos, já não se resolvem, infelizmente, com a "sensibilização" dos dirigentes, mas com medidas drásticas, que incumbia á Liga adoptar.
Só que a Liga, não o esqueçamos, é composta pelos clubes, pelo que, o modo como tem tratado esta questão, como outras, só pode ser entendido no âmbito da incapacidade, global, dos dirigentes, para realizarem as reformas de que futebol português tanto necessita...

E AGORA ?


Como já era esperado, a Assembleia Geral da Federação Portuguesa de Futebol chumbou o projecto de novos estatutos, na generalidade, não tendo chegado a ser votados na especialidade.
A obrigatoriedade de reformular os estatutos da Federação resulta da aprovação da Lei de Bases do Desporto, lei 5/2007, em consequência da qual viria a ser aprovado o novo Regime Jurídico das Federações Desportivas, decreto-lei 248-B/2008, que prevê que a adequação tenha lugar até ao próximo dia 27 de Julho.
A proposta apresentada pela FPF, que terá tido como base os estatutos da FIFA e da UEFA, previa o reforço dos poderes da Direcção, em particular, do presidente e do secretário-geral, ao mesmo tempo que reduzia os que competem á assembleia geral.
Mas o elemento determinante do "chumbo" parece ter sido a perda de peso relativo, por parte das Associações Regionais e Distritais, porquanto passariam a dispor de 22 votos, em 63 possíveis, contra os actuais 250 em 500.
A AF Porto, que conta com maior número de votos, 37, já tinha feito saber que iria votar contra e encabeçava um movimento visando a rejeição do projecto. E não deixa de ser interessante que seja o Dr Lourenço Pinto o porta-voz dos descontentes...
Com esta rejeição, a Federação Portuguesa de Futebol sujeita-se a perder o estatuto de utilidade pública desportiva, coisa que não parece preocupar os dirigentes das Associações, que já ponderavam a impugnação, em caso de aprovação.
As perguntas que se me afiguram mais óbvias, são as seguintes:
Com tanto tempo para procederem á revisão, porque não foi possível obter um consenso ?
Estaria qualquer processo condenado, á partida, porque o objectivo era não aceitar a perda de representatividade das Associações, prevista no RJFD ?
Porque motivo se defende que as Associações Distritais e Regionais, devem continuar a ter maior número de votos do que as Ligas de Futebol, profissional e não profissional, no seu conjunto ?
Porque continuam, os dirigentes, a utilizar a expressão "movimento associativo" para se referirem, apenas, ás Associações Distritais e Regionais ? E as restantes ? As Ligas não são um movimento associativo ? E o sindicato dos jogadores ?
A menos que me convençam do contrário, este chumbo está, directamente, relacionado com o controlo da FPF e com o domínio do futebol português. E quem está no poder, raramente o abandona de livre vontade...
Resta saber se o Governo fará, ou não, mais uma concessão aos "homens do futebol"...

sábado, 18 de julho de 2009

CONVERSAS DE CAFÉ


Pouca passava das quatro da tarde e eu almoçava, tranquilamente, á beira mar.
A voz de uma criança, com uns 6 a 7 anos, retirou-me dos meus pensamentos:
- Mãe, quando chegar á praia, dou logo um mergulho !
-Nem pensar, responde a jovem senhora, ainda não fizeste a digestão ! Só ás cinco horas !
-Mas mãe....
Não consegui ouvir o resto, mas veio-me á lembrança a minha juventude.
Em minha casa, em Albufeira, onde, regularmente, passávamos férias, existiam duas regras sacramentais:
-Os "meninos", incluindo a minha irmã, tinham que dormir a sesta;
-Banho, só passadas 3 horas, contadas a partir do final da refeição.
E se a minha avó, Rogélia, que nos acompanhava a maior parte do tempo, era rígida no seu cumprimento...!
Cresci, e ganhei o hábito de, nos dias de calor, dar "um mergulhinho", após acabar de comer, embora sempre com o cuidado de, antes, passar água no corpo, devagar, para evitar um choque térmico.
Agora, ao escrever este apontamento, é que me dei conta de que nunca perguntei a nenhum médico se esta prática é, ou não, perigosa, mas a verdade é que nunca tive nenhum problema com isso, e espero nunca vir a ter.
Não sei se a minha avó tinha razão, ou a mãe desta criança, mas não me parece natural que, em dias de calor intenso, como o de hoje, se leve uma criança para a praia a horas em que ela não pode tomar banho. Ou estar exposta ao sol...
Ter de ficar debaixo do toldo, ou do chapéu de sol, com um calor dos diabos, o mar ali ao lado, e sem poder molhar os pés, é sacrifício demasiado para um adulto, quanto mais para uma criança...
E é essa uma das memórias que eu guardo, de parte das minhas tardes de Verão em Albufeira...
Bem melhor seria que, após o "soninho" da tarde, a criança ficasse em casa, lendo, ou ouvindo ler, um livro, até chegar a hora em que pudesse disfrutar da praia, e do sol, na sua plenitude.
Sei bem que, na praia, as crianças "chateiam" menos os paizinhos, do que quando fechadas em casa, e que, para os paizinhos, é mais agradável estar na praia do que em casa, a brincar com o filhinho, ou a ler-lhe um livro.
Só que, as crianças não merecem ser sujeitas a certos sacrifícios e também ninguém disse que é fácil ser Pai...
Não sei se tenho, ou não, razão, no modo como avalio o comportamento de muitos adultos, nesta matéria, mas aqui fica a minha opinião, a título de "conversa de café", evocando memórias da minha juventude...

LIEDSON...E A SELECÇÃO NACIONAL

O interesse manifestado por Liedson, junto da Federação Portuguesa de Futebol, em representar a selecção nacional, veio reabrir a discussão em torno da presença, ou não, de estrangeiros, na equipa das quinas.
Salvo melhor opinião, reabrir o debate, nos termos em que está a ser feito, não faz sentido, porquanto existem precedentes, casos Deco e Pepe, e a qualidade futebolística do jogador não o coloca, longe disso, em situação de inferioridade comparativa, tanto mais que, joga numa posição em que a selecção é, claramente, deficitária de bons valores.
Quero esclarecer que estive contra a chamada de Deco à selecção nacional, não pelo seu, indiscutível, valor futebolístico, mas porque entendi, e entendo, que á equipa das quinas só devem ser chamados jogadores portugueses, ou aqueles que, tendo nascido noutras paragens, vieram residir para Portugal, e se tornaram portugueses, quando muito jovens.
E permitam-me que, em reforço da minha posição, evoque as, frequentes, afirmações de Deco, nas quais fica clara a sua nacionalidade brasileira, pretendendo, como é natural, terminar a carreira no seu país, no clube que o lançou para o futebol, o Corinthians.
E para que não restem dúvidas, num momento em que o preconceito contra os brasileiros atinge, a meu ver, um nível incompreensível, quero deixar claro que, prefiro que a abertura se faça a atletas de origem brasileira, pelas afinidades, culturais, e linguísticas, do que a atletas que, embora de ascendência portuguesa, nunca jogaram em Portugal, nada conhecem sobre o país, e nem sequer sabem falar português.
Por mim, atentos os precedentes, Liedson poderá representar a selecção nacional, mas isso não significa que não deva haver um debate, sério, quanto aos futuros critérios de escolha.
Um pouco "á nossa maneira", a chamada de Deco e Pepe á Selecção tiveram, a meu ver, como único critério, o "jeitinho que davam", em determinada ocasião, e o mesmo parece acontecer agora, relativamente ao "levezinho".
Só que a representação da Selecção Nacional é demasiado séria, para poder estar ao sabor de critérios "oportunistas".
Cabe á Federação Portuguesa de Futebol esclarecer, de forma cabal, quais os critérios que terão de ser cumpridos, que não só o da "simples" nacionalização, para que um jogador possa representar Portugal.
É que, a meu ver, não basta ser português, é preciso sentir-se português, e se concordarmos com o princípio, teremos mais de meio caminho andado na resolução do problema...

PLATINI E A PRIMA "GEORGINA"...


Para as pessoas da minha geração, ficou célebre aquela rábula do Raúl Solnado, em que ele se referia á sua "prima Georgina", que tinha "a mania de dizer coisas...".
Com o devido respeito, Michel Platini, com as suas, frequentes, críticas à política de contratações do Real Madrid, com destaque para a de Cristiano Ronaldo, começa a assemelhar-se á prima Georgina...
Em primeiro lugar, porque é totalmente descabida a afirmação de que, se Cristiano custou 92 milhões, ele custaria 93, mas, "presunção e água benta, cada um toma a que quer"...
Depois, porque na qualidade de presidente da UEFA, se está preocupado com "os gastos, faraónicos, que inflacionam o mercado", tem mais é que apresentar medidas que contrariem essa tendência, e conseguir a sua aprovação nos órgãos competentes.
Finalmente, porque é o próprio Platini quem afirma que, "não há clubes que inspirem grande preocupação", apesar de, mais de metade dos clubes europeus, registarem prejuízos...
Não sendo uma originalidade, no meio futebolístico, esta mania de os dirigentes "mandarem recados" e "dizerem coisas", em vez de apresentarem propostas e soluções, como lhes compete, é, ela sim, preocupante, para todos aqueles que gostam de futebol, e estão preocupados com a evolução do jogo, e do negócio.
Vai sendo tempo de os dirigentes se concentrarem em cumprir as funções para que foram eleitos, lá como cá, e deixarem de querer imitar "a prima Georgina"...
Até porque, Raúl Solnado, um fantástico humorista e um excelente Homem, fez isso de forma inegualável !

ACREDITE SE QUISER...


Confesso que fiquei pasmado com a notícia, a ponto de ter procurado a confirmação, mas é mesmo verdade:
Os nova direcção da União de Leiria foi eleita com 23, repito, 23 votos, num total de 26 votantes !
Tratando-se de um clube que regressou, este ano, á primeira Liga do futebol profissional, esta falta de entusiasmo não augura nada de bom...
Não sei qual era o universo, potencial, de votantes, mas este número é ridículamente baixo, tanto mais que os integrantes das listas também votaram...
Existem turmas de alunos onde a eleição do "chefe de turma" conta com maior participação...!
E ainda há quem se admire com o facto de alguns clubes portugueses deixarem de pagar salários, pouco tempo depois de iniciados os campeonatos...

terça-feira, 14 de julho de 2009

VALEU A PENA !


A prestação de José Alberto de Carvalho na Assembleia da República, a propósito do serviço público de televisão, só me merece um comentário: Excelente !
José Alberto de Carvalho foi claro, directo, não fugiu ás perguntas, e reivindicou o direito ao erro, de boa fé, recusando manipulações e deixando bem clara a diferença, relativamente a "critérios jornalísticos" passados.
Assisti ao debate, em diferido, na ARtv, e confesso: Valeu a pena !
Parabéns José Alberto de Carvalho !
A televisão pública está no bom caminho !

DETALHES...


1. Gostei das primeiras partes dos jogos do Benfica.
2. Gostei da atitude de Jesus, ao decidir não penalizar Yebda e Quim, pelos erros cometidos contra o Sion.
3. Não entendi a escolha dos capitães, Maxi Pereira e Cardoso.
Com jogadores portugueses em campo, e com mais tempo de Clube, não consigo entender a escolha.
Infelizmente, a questão da braçadeira tem vindo a perder importância, lembro-me, até, de ter sido permitido a Simão Sabrosa colocar nela a fotografia da filha, e isso não é um bom sinal.
Salvo melhor opinião, a braçadeira de capitão é, também, um dos símbolos do Clube, pelo que não pode ser indiferente a escolha de quem a usa.
Pode parecer um detalhe, mas a vida é feita de detalhes...

quinta-feira, 9 de julho de 2009

QUESTÃO DE ATITUDE...


Mesmo tratando-se de uma figura engraçada, confesso que nunca gostei do Calimero, pela sua atitude conformista, expressa na célebre frase "ninguém me ama, ninguém me quer", e custa-me muito ver os dirigentes do meu Clube fazerem o papel do "patinho feio".

Vem isto a propósito da falhada contratação de Falcão e das declarações de Rui Costa, relativamente ao interesse do FCPorto no jogador. Soam a desculpa de mau pagador e ninguém acredita que, se o Benfica estivesse de boa saúde financeira, não faria tudo para evitar que ele fosse parar ao Porto. O contrário é que seria de estranhar.

Afinal, a essência da rivalidade desportiva é essa mesmo, e a menos que tenham havido comportamentos éticamente reprováveis, que desconheço, o Porto não fez mais do que defender os seus interesses, tal como o Benfica faria, em situação inversa.

O que é importante, a meu ver, é que os dirigentes do Benfica reconheçam que esta situação não é virgem, pelo contrário, sendo preocupante a incapacidade manifestada para guardar segredo até á conclusão do negócio, como tem sido frequente.

A "blindagem" de que Vieira sempre fala, está longe de ter sido conseguida, apesar de ele estar a iniciar um terceiro mandato, e se as decisões são tomadas por um número restrito de pessoas, não deve ser difícil identificar a proveniência das fugas de informação.

A menos que seja o próprio presidente a dar essas informações, e aí não há nada a fazer...

Mas este mesmo espírito calimero estende-se a outras áreas, como ficou demonstrado quando da recusa, por parte da assembleia geral da Liga, da proposta de limitação do número jogadores, do mesmo escalão, que um clube pode emprestar a outro.

Como é natural, o FCPorto defende a inexistência de limites, já que se trata do clube que mais jogadores tem para emprestar, assim como o Benfica, se fosse ao contrário, defenderia igual posição. Pode não ser o que melhor serve os interesses do futebol português, mas a posição é compreensível.

Ao Benfica cabe continuar a bater-se por aquilo em que acredita, apresentando as propostas que, em seu entender, melhor servem os interesses do futebol nacional, sem taticismos e de forma clara, procurando obter o apoio dos restantes clubes, para a sua aprovação.

É preciso que o Benfica assuma, com clareza, as transformações que gostaria de ver consagradas, em matéria de quadro competitivo, das relações entre os clubes, da arbitragem, da Federação e da Liga. E que o faça de forma clara, integrada, e não através de propostas avulsas. Como também é preciso que consiga, pela via do diálogo, convencer os seus parceiros na Liga de que as suas propostas são as que melhor servem os interesses do futebol português.

É tempo de os dirigentes do Benfica entenderem que, as posições, isoladas, de "paladino da Justiça", não produzem qualquer efeito, a não ser para consumo interno, e que uma verdadeira transformação, no futebol nacional, requer o apoio de uma maioria, qualificada, de clubes.

E é tempo de de começarem a agir nesse sentido, sem "lamechices", mas também sem arrogância, de forma frontal e transparente, pois só assim conseguirão os apoios necessários à mudança, que já tarda...



RESCALDO...


Passada a agitação das eleições no Benfica, entendo que se justifica uma reflexão sobre todo o processo, numa perspectiva tão independente, quanto possível.
É nesse contexto que, não estando eu de acordo com a actual gestão de Luís Filipe Vieira, não vou abordar a questão da antecipação das eleições, o desrespeito por ordens judiciais, ou a manipulação da informação fornecida aos órgãos de comunicação social...
Tudo isso já foi, abundantemente, comentado, e cada um tirará as ilações que quiser...
Em meu entender, ficou claro, ao longo de todo o processo, que a oposição à actual gestão do Clube se baseia mais na pessoa do seu presidente, do que em projectos alternativos.
Goste-se, ou não, o Movimento "Benfica, Vencer, Vencer", para além de não ter sido capaz de gerar uma candidatura, demonstrou enorme fragilidade na sua capacidade para apresentar um modelo de gestão para o Clube, perdendo-se em generalidades, nada convincentes, e hipotecando a possibilidade de se constituir como alternativa.
Aliás, mal ou bem, a ideia que ficou é que o Movimento se aglutinou em torno da figura de José Veiga, a qual, convenhamos, está muito longe de ser consensual entre os benfiquistas...
Já Bruno de Carvalho, que eu apoiei, procurou apresentar algumas ideias, mas tinha, a seu desfavor, o facto de ser um sócio recente do Clube, ficou enfraquecido pelas dúvidas quanto á legitimidade da sua candidatura, "perdeu-se" em batalhas jurídicas, e não foi capaz de fazer passar a sua mensagem, como o atesta o resultado eleitoral, com os votos em branco a mais do que duplicarem a sua votação.
Reconheço que ficou claro que não existiam condições para derrotar Luís Filipe Vieira, mas isso não significa que a sua gestão seja a que melhor serve os interesses do Sport Lisboa e Benfica.
A expressiva vitória conquistada, dá-lhe o direito de gerir os destinos do Clube, nos próximos 3 anos, mas não lhe confere os poderes absolutos, que ele gostaria...
Ou muito me engano, ou Viera continuará a ser o que sempre foi, renovando promessas, que nunca serão cumpridas, privilegiando a SAD, em prejuízo do Clube, evitando o debate sobre os temas mais importantes, como a revisão dos estatutos ou a integração da Benfica Estádio na SAD, e insultando todos aqueles que dele ousem discordar...
Cabe a quem discorda, do estilo, e do método, passar a estar presente nas Assembleias Gerais, e apresentar propostas alternativas, credíveis, em vez de se perder em críticas menores que, por mais justificadas que sejam, apenas transmitem uma ideia de "mau perder".
É tempo de os benfiquistas discutirem o Benfica do futuro, na base de projectos e não de pessoas, ao mesmo tempo que exigem dos seus dirigentes o cumprimento das suas promessas eleitorais.
Sem fazerem qualquer tipo de oposição sistemática, da qual, frise-se, Veira não pode queixar-se, por inexistente, os que, como eu, pretendem um Benfica diferente, devem expôr as suas ideias, e sujeitá-las ao debate.
Na impossibilidade de o fazermos no interior do Clube, façamo-lo aqui, na internet, com linguagem própria, educada, no respeito pelas opiniões de todos e com o único intuito de contribuirmos para o engrandecimento do Sport Lisboa e Benfica.
Para bem do Benfica, esperemos que o actual presidente cumpra o que prometeu, eu serei dos primeiros "a dar a mão á palmatória", mas se isso não acontecer, é preciso estarmos preparados, sob pena de o próximo acto eleitoral voltar a ser mais um "passeio" para Luís Filipe Vieira.
E o Benfica nada ganharia com isso...

SUPER LIGA ?


Com a apresentação de Cristiano Ronaldo a dominar as atenções, parece ter passado despercebida a proposta de Florentino Perez, no sentido da criação de uma Super Liga Europeia.
A afirmação foi feita numa entrevista televisiva, durante a qual o presidente do Real Madrid afirmou ser preciso garantir que os melhores jogam com os melhores, o que, a seu ver, não acontece na Liga dos Campeões.
Aparentemente, a avaliar pelas declarações de Michel Platini, a UEFA não parece muito preocupada com o tema, mas nem por isso este assunto deve deixar de merecer reflexão, por parte de todos os que gostam de futebol.
Ao defender que os maiores clubes europeus devem poder participar nessa competição, independentemente da sua classificação nos campeonatos domésticos, o presidente do Real Madrid está, naturalmente, a privilegiar as questões de natureza financeira, e todos sabemos ser esse o principal problema que aflige os grandes clubes europeus, com algumas, poucas, honrosas excepções...
Acredito, por isso, que este tema irá continuar na ordem do dia, pelo que seria interessante sabermos o que pensam, a este propósito, os principais clubes portugueses, e que medidas preconizam, se é que algumas, para o caso de a Super Liga vir a ser uma realidade.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

RONALDOMANIA


Impressionante, o que se está a passar em torno da ida de Cristiano para o Real Madrid.
Segundo o jornal El País, o Real decidiu que Cristiano passará a ter segurança privada, o que nunca sucedeu com qualquer outro jogador, nem mesmo David Beckham.
De acordo com o mesmo jornal, só na tarde de Segunda-Feira foram vendidas 3.000 camisolas, com o nome do jogador, tendo sido roubadas 300, e o ritmo de vendas manteve-se, ontem de manhã.
As camisolas, que já se encontram esgotadas, venderam-se a um ritmo de duas por minuto, sendo que, as que têem o nome de Cristiano em chinês, japonês, e árabe, custam € 120.
Revelador da verdadeira máquina publiciária, e de marketing, que é o Real Madrid, é o facto de a cadeia de televisão Al Jazeera ter transmitido, em directo, a cerimónia da apresentação.
A este ritmo, o Real deverá recuperar, rápidamente, o investimento financeiro, tanto mais que
Florentino Perez já informou a Adidas que pretende renegociar o valôr do contrato, assinado em 2004, que termina em 2012, para passar a receber € 60 milhões por ano, ou seja, o dobro do que recebe actualmente.
Mas a verdade é que, a anterior experiência "galática" de Florentino Perez se saldou por um tremendo insucesso desportivo, e embora não seja provável que repita os mesmos erros do passado, não irá ser fácil conjugar as exigências desportivas, com os compromissos publicitários, individuais e colectivos, nem tanto "ego" junto, no mesmo balneário...
Cristiano Ronaldo tem pela frente um enorme desafio, e será muito menos protegido do que em Manchester, restando saber como irá reagir a toda esta mediatização e adaptar-se à vida em Madrid...